Sua empresa está pronta para ser data-driven?

Organizações estão investindo nos dados para impulsionar o seu negócio

Big Data é um dos trend topics da tecnologia. Em debates que variam de entender o comportamento do consumidor, tomar decisões mais ágeis e assertivas a avaliar tendências, a inteligência de dados está no centro. 

Uma gama de possibilidades, inovações e estratégias são desenvolvidas a cada instante para atender a demanda de análise e extração de informações. Esse é o cenário experimentado tanto em grandes organizações como em corporações mais enxutas. O Big Data continua influenciando e transformando a forma como as empresas operam e competem.

De acordo com pesquisas da PwC e McKinsey, as organizações altamente orientadas a dados têm 3x mais chances de obter melhorias na tomada de decisões e 23 vezes mais chances de obter novos clientes. 

Entretanto, ser data-driven não se resume às novas tecnologias. Não raro, empresas investem em ferramentas, automatizam os processos e compram softwares com a crença de que a partir dessas aquisições (e apenas com elas) será possível alavancar os seus resultados.

Além da tecnologia é preciso, ou melhor, é primordial impulsionar a transformação na cultura, nos processos e alterar o mindset das pessoas.  Ao falarmos de uma empresa data-driven não nos referimos a uma área em específico e sim a um modus operandi. Ser orientado a dados é ser dotado de uma cultura que percorre todas as áreas da empresa e influenciam todas as decisões. 

O que dizem os estudos?

A pesquisa How Big Data and AI are Accelerating Business Transformation, realizada pela NewVantage Partners em 2019, revelou alguns avanços nesse tema: 48% das organizações já usam dados para a tomada de decisões, contra um número de apenas 5% quando a primeira pesquisa foi aplicada, em 2006.

Esse mesmo relatório apontou que  88% das empresas entrevistadas (Fortune 1000) sentem grande urgência para investir em big data e AI. 92% delas são motivadas a investirem pela busca de transformação, agilidade e pela expectativa de tornarem-se mais competitivas. 

Mais da metade dos executivos entrevistados temem os concorrentes que já adotaram a inteligência de dados:  

  • 54,4% dos executivos relataram que a incapacidade de ser ágil e competir com os dados apresentava a ameaça competitiva mais significativa que eles enfrentavam
  • 79,4% dos executivos disseram que temiam perturbações dos concorrentes orientados a dados

Isso nos leva apontar que as empresas que adotaram os dados já conseguem mensurar melhorias de resultados e performance. As empresas líderes (91,6%) estão aumentando o ritmo de seus investimentos em Big Data e IA e  87,8% expressaram urgência em investir nesta tecnologia.

Contudo, vale ressaltar que um relatório bonito não transforma o negócio. O que impulsiona é a união e complementaridade entre dados + tecnologia + pessoas + processos + cultura. Transforme insights em ações e melhorias para o seu negócio. 

E refletindo sobre a pergunta do início do post: sua empresa está preparada para ser data-driven? Grandes e pequenas empresas já estão mergulhando nos dados e insights por eles gerados. Não existe melhor hora que agora, abandone o achismo. 

Conheça as principais fraudes do ambiente mobile

E entenda a melhor forma de proteger os seus clientes e a sua empresa

Resumo do post:

  • segundo um levantamento realizado neste ano de 2019, 3.6 fraudes são detectadas por minuto no ambiente mobile.
  • as fraudes em dispositivos móveis acontecem basicamente das seguintes formas: aplicativos maliciosos, phishing, wi-fi público e claro, em smartphones perdidos ou furtados. 
  • a tecnologia tem sido ótima aliada na redução desses riscos, uma vez que em tempo real é possível identificar e mitigar fraudes.

Os consumidores utilizam o aparelho celular para entretenimento, para pesquisar, para comprar produtos e também para aproveitar as diversas vantagens dos aplicativos. No nosso último blog post – Tudo na palma da mão – falamos como as transações e preferência por este dispositivo tem evoluído.

Quando falamos de mobile, geralmente pensamos nas interfaces, na experiência do usuário e na praticidade. É muito comum a discussão girar em torno das facilidades. Mas e a segurança? Embora os consumidores avaliem o celular como um canal seguro, a realidade tem se apresentado de forma diferente: segundo levantamento da Psafe, são detectadas 3,6 fraudes no ambiente mobile a cada minuto.

Nesse contexto, as empresas que estão presentes na estratégia mobile enfrentam um desafio: definir planos e tecnologias para equilibrar a gestão de risco ao mesmo tempo em que oferecem uma boa experiência digital. 

Para garantir a segurança dos seus usuários é preciso entender sobre os riscos e fraudes mais comuns no mobile. É essencial compreender como os hackers têm atuado para que você possa proteger a sua empresa e os seus clientes. 

Principais Tipos de Fraudes Mobile

Aplicativos Maliciosos
Às vezes alguns aplicativos são projetados e desenvolvidos exclusivamente para dar golpes em usuários desatentos. São comuns no formato não orgânico (pagos) e os fraudadores arrecadam com a compra do aplicativo. Ocorre também com versões com malwares que infectam os smartphones.

Phishing O primeiro registro de phishing na internet foi realizado em 1996 e no ambiente mobile foi detectado em 2012. Vinte anos se passaram e essa fraude ainda é praticada. Sabe por quê? É simples, tem baixo custo e oferece alta taxa de sucesso. Além disso, quando bem-sucedido é um golpe difícil de ser identificado.

Phishing é uma técnica em que o ataque é feito por meio do direcionamento de links que solicita um clique de ativação de login em um determinado site e, ao clicar, o usuário é direcionado para uma página falsa, que captura os dados da vítima.

Wi-fi público
Aqui a fraude acontece quando o dono de uma conexão ou um outro usuário conectado à mesma rede agem de má fé e realiza o ataque em tempo real, direcionando a vítima para um site falso com o intuito de fisgar dados pessoais e também do cartão de crédito.

Celulares Perdidos ou Roubados Quando um smartphone é furtado e está na opção de manter logado em aplicativos do cartão de crédito, lojas, site de compras ou até na wallet digital, os fraudadores utilizam dessa oportunidade para efetuarem transações bancárias e compras de itens caros.

Existem também outros tipos de riscos no mobile, como quando os fraudadores invadem aplicativos de fidelidade. Os usuários são hackeados e têm seus pontos roubados em apps de companhia aérea, empresas de varejo, postos de gasolina, redes de café, franquias e tantos outros. Eles conseguem até mesmo utilizar valores em cartões de presente, como o que aconteceu com a Starbucks em 2015.

Os riscos crescem à medida em que novas funcionalidades são lançadas. e também com o aumentos do uso dos canais móveis para resolver uma variedade de transações e pesquisas. 

Agora que já passamos pelos riscos, vamos compartilhar formas de se proteger e de preservar a sua organização.

Como se proteger?

Uma coisa é certa: os consumidores esperam acessar o aplicativo de sua empresa de forma descomplicada e segura. Ao combinar tecnologia + inteligência de dados + comportamento do consumidor você pode se preparar melhor contra esses ataques, mitigar fraudes e inclusive reduzir seu custo com segurança.

Como se proteger de fraudes no ambiente mobile

A tecnologia tem sido ótima aliada na redução desses riscos. Em tempo real é possível detectar e identificar fraudes, além de te possibilitar avaliar comportamentos suspeitos para que ações sejam tomadas de imediato.

Quer saber mais como antecipar os riscos? Em nosso portfólio de soluções temos o  Cinnecta Fraud Detection que contribui na prevenção de fraudes.

Tudo na palma da mão

Além da comodidade oferecida pelo mobile, os consumidores buscam segurança

Resumo do post:

  • os consumidores buscam segurança nas operações financeiras realizadas no dispositivo móvel
  • o número de transações financeiras via mobile banking cresceu cerca de 50% de 2017 para 2018 e o Brasil é o 4º maior mercado de apps do mundo
  • a tecnologia é uma importante aliada no combate à fraude:  inteligência artificial e análise da dados.

Comodidade, praticidade, informação e diversão. Tudo na palma na mão dos consumidores. O mundo está mobile. Depois que os smartphones ganharam importância e relevância no dia a dia dos brasileiros, tornou-se frequente novos lançamentos e atualizações nesse mercado.

Para se ter uma ideia, o Brasil é o 4º maior mercado de apps do mundo, segundo pesquisa apresentada pela APP Annie Forecast 2016-2021. Além das facilidades permitidas pelo aparelho móvel, os consumidores buscam também por segurança. E muitas vezes, quando pensamos no mobile, dificilmente lembramos das fraudes.

O mercado financeiro acompanhou essa transformação digital e assim houve um grande crescimento do mobile banking no Brasil. O gráfico abaixo apresenta uma comparação entre o uso de banco pelo celular em comparação com outros tipos de acesso como internet banking, ATM e agências bancárias.

 composição das transações bancárias por canal (em %)

Os dados são da Pesquisa Febraban de Tecnologia Bancária 2019

Para exemplificar a velocidade de crescimento do mobile banking, o número de transações por meio desse canal em 2018 foi praticamente o dobro da realizada em 2016. O total foi de 31,8 bilhões contra os 18,6 bilhões registrados em 2016.

A comodidade de efetuar as operações por um dispositivo na palma da mão explica esse avanço. Além da praticidade e da busca por melhores experiências, os consumidores buscam segurança.

E com o aumento das transações no mobile, aumentam também o número de fraudes e as formas como elas são realizadas.

Como a tecnologia ajuda na segurança do usuário?

Hoje em dia a tecnologia já te possibilita, em tempo real, avaliar a identidade do cliente e prevenir a fraude. A Inteligência Artificial, análise de dados e estudo do comportamento do consumidor são fatores fundamentais nesse processo e que ajudam a garantir a segurança das partes envolvidas em todas as operações financeiras.

Para otimizar custos, tempo e prezar pela reputação é importante que as instituições financeiras fiquem sempre atentas as soluções tecnológicas para lidar com essas ameaças.

O fim do achismo nas empresas

A importância dos dados para conhecer melhor a sua persona

Praticamente ninguém poderia imaginar, há décadas atrás, que hoje estaríamos usando aplicativos para quase tudo. Pedir comida sem ter que ligar para o restaurante, fazer transações bancárias no meio da madrugada e chamar o transporte com um clique. A tecnologia tem transformado radicalmente nossa relação com produtos e serviços. Se os consumidores estão cada vez mais adeptos às comodidades proporcionadas pelos aplicativos de dispositivos móveis, é fundamental que as empresas utilizem o comportamento dos usuários de maneira estratégica.

Todos os dias, uma quantidade enorme de dados digitais é gerada e é fundamental que empresas consigam lidar com essas informações para entender melhor o comportamento do seu consumidor. Se antes esses processos eram feitos de forma quase manual, usando pesquisas de opinião e formulários em papel, hoje é possível conhecer não apenas informações unidimensionais dos usuários – como idade, profissão e sexo – mas também entender seus gostos, hábitos de consumo e outras informações valiosas para o seu negócio.

É uma tendência que desperta interesse e está na lista de prioridades das companhias. Segundo o relatório Global Mobile Analytics Market 2016 – 2020, o investimento das empresas em soluções de análise e inteligência para smartphones foi de US$ 1,62 bilhões em 2015 e deve ser de US$ 4,26 bilhões em 2020.

Não é à toa que esses números crescem. A inteligência artificial ajuda empresas a tomarem decisões melhores ao analisar e comparar grandes volumes de informações e organizá-los de forma relevante. Isso reflete em novos produtos, ações de marketing, vendas e até no atendimento.


A quantidade de informações produzidas em computadores e smartphones continuará crescendo e, com ela, a complexidade de analisá-las. Conseguir compreender as preferências do público influencia, portanto, processos decisórios de diferentes setores do negócio, fazendo com que a empresa tenha mais vantagem competitiva e se torne relevante para clientes.

Toda essa onda de avanços tecnológicos também gera mudanças sociais e estimula a criação de novas regras, que visam proteger o cidadão e definir condições de uso desses dados pelas empresas. Um ótimo exemplo é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que vigora em 2020 e já faz com que empresas busquem alternativas de segurança e privacidade para clientes.

A privacidade dos usuários é tema fundamental neste processo de inovação e deve ser tratada com total prioridade. A LGPD é um marco muito importante neste processo.

Com este cenário regulatório, considerando que as regras de tratamento de dados estão claras, empresas e clientes podem se beneficiar dos avanços que essas tecnologias podem trazer. 

Esse artigo foi originalmente publicado no Jornal Hoje em Dia.